Coluna do Márcio por Márcio Staggemeier

Dica de Filme: Alta Fidelidade

No ano de 2000 surgiu um dos filmes mais cult dos nossos tempos: “Alta Fidelidade” (High Fidelity), dirigido por Stephen Frears e que tem como protagonista principal John Cusack, que também co-escreveu o roteiro, além de escolher a sensacional trilha sonora.

Rob Gordon (Cusack) é dono de uma decadente loja de discos de vinil, que só vende LP’s em pleno auge do cd, mesmo estando à beira da falência. Rob é uma verdadeira enciclopédia ambulante da música pop, conhece absolutamente tudo sobre o assunto, no entanto, no amor é um tremendo azarado. Após ser abandonado pela namorada Laura (Iben Hjejle), resolve fazer uma lista dos cinco maiores foras que levou ao longo da vida e a partir daí tenta entender melhor o que provocou tamanhas rejeições.

O filme pode ser enquadrado como comédia romântica, mas na verdade é um primor no que diz respeito à música e à cultura pop mundial. Aliás, para quem é pouco afeito à temática do universo pop, possivelmente o filme não será tão encantador quanto aos que se deliciam com todo este conhecimento. O que o deixa irresistível são os diálogos e as situações que Rob passa junto de seus dois ajudantes muito peculiares, Barry (Jack Black) e Dick (Todd Louiso).

Os três passam os dias fazendo listas do tipo top 5: as cinco melhores músicas do lado B dos discos, as cinco músicas para se tocar no dia da sua morte, as cinco profissões que gostariam de ter, e assim se sucedem as listas. Impagáveis, também, são as cenas em que os funcionários espantam os raros fregueses cujo gosto musical não combina com o deles. Momento antológico: Barry, se recusa a atender um senhor que entrou na loja procurando a música ”I just called to say i love you”, do Steve Wonder. Ele diz ao cliente: “Você lá conhece a sua filha? Ela odiaria esta música, a não ser que estivesse em coma”.  A trilha sonora, claro, trata-se de um capítulo a parte.